Sunday

O poder do tamanho pequeno

Sabem aquela ideia de que somente fazendo algo muito grande, por exemplo fundar uma escola em África, é que sentiremos plena realização?
Pois é. Cada um de nós terá ou terá tido a sua versão grandiosa de contribuição. E quantos de nós consegue na prática concretizar essa grande ideia? 🌟 E como nos sentimos de cada vez que pensamos no orfanato na Índia, no canil para os animais abandonados, e no lar especial com que sempre sonhámos em criar?
Não estou com isto a dizer que é mau sonhar com contribuições grandiosas! Nada disso. Sou a primeira a dizer que sim, já pensei assim centenas de vezes.
CONTUDO...
ATÉ PARECE que as contribuições aparentemente pequeninas são "menores" do que as grandes!
Menos nobres.
Menos importantes
Menos impactantes.
ATÉ PARECE que o querer "somente" umzinho cliente de coaching, ou ajudar umzinho cão, ou umazinha criança independentemente da geografia, raça, grau de parentesco ou condição socio-financeira, OU querer simplesmente desejar boas ondas e energias para amigos distantes OU sorrir a um sem abrigo mesmo sem lhe dar uma moeda é coisa pouca:
pouco ambiciosa,
pouco valiosa,
pouca de insuficiente e de não chegar para fazer a diferença no mundo!
ATÉ PARECE que só a obra que é grande, vistosa, é uma grande obra!
Que o massivo é que é um grande legado!
Que a contribuição com uma sede e website e paredes (uma Fundação, uma Escola, uma Instituição IPSS, uma rede de, uma Empresa, uma ONG...) é que É!!
JÁ NÃO partilho desta forma de ver a minha contribuição plenamente realizada!
Há, no mundo do desenvolvimento pessoal, e do Coaching em particular, uma cultura do MAIS, que, na minha experiência, pode ser detrimental para entusiasmadas obras, inspiradas contribuições e originais legados, das pessoas que sonham em ponto "não-grande".
Há tanta pressão para com o MAIS e MAIOR! Pode causar empancanço (ficar no mesmo sítio), falta de foco, ansiedade. e sentimentos de culpa e baixa auto estima! 
Acredito que acolher e aceitar e celebrar o nosso objectivo grandioso - do tamanho UM -, será uma maravilhosa contribuição para a nossa vida!

Não são os actos grandiosos que contam mas os pequenos, feitos com GRANDE AMOR. E quem o disso foi a Madre Teresa.